terça-feira, 27 de maio de 2014

Sobre o Filme "Assassinato em Gosford Park"


Ter lido os comentários negativos a respeito de "Gosford Park" (2001) antes de vê-lo, me ajudou a gostar mais dele. Todos elogiam fotografia, direção de arte, elenco e tudo o mais, e sim, esses elementos se destacam muito e são todos excelentes, mas quero deixar aqui meus elogios ao roteiro que é pouco elogiado por todos.

Eu já sabia que ele não seria um filme wannabe Agatha Christie (da qual sou fã), então não era isso que eu esperava. Talvez muitos esperem isso pela típica "aura" britânica e pelo título no Brasil.
E enquanto um estudo de personagens quase histórico-social, o filme não deixa nada a desejar. Ao contrário de muitos por aqui, eu não tenho problema NENHUM com filmes compostos por diálogos.
Gosford Park é o título mais adequado (sem o "Assassinato em"), pois a história trata da mansão, o que ela representa e a dinâmica das pessoas que moram nela ou a frequentam.
E sim, é difícil de acompanhar. Muitos personagens.
Mas é aí que está outra qualidade do filme: inevitavelmente alguns são deixados em segundo plano, mas todos são muito bem tratados pelo roteiro. Talvez por isso ele seja longo. Se repararmos bem nos detalhes e subtextos, entenderemos várias coisas não ditas e isso é extremamente difícil de se ver em qualquer tipo de roteiro.
Não dei cinco estrelas pois não o achei perfeito, ele tem sim alguns problemas de ritmo, umas coisas que davam pra encurtar, outras que davam pra estender, mas nada que prejudicasse o panorama geral.

Estabelecendo com maestria as duas realidades diferentes da casa - a realidade de cima e a de baixo, a naturalidade com que os personagens a encaram e como esses dois mundos se colidem, o filme se conclui de uma forma morna para alguns.
Para outros, porém, ele permanece irretocável em seu roteiro, elenco estelar e talentoso, fotografia lindíssima, figurinos e cenários incríveis e um instigante estudo de personagens.


Nenhum comentário:

Postar um comentário